Image for post
Image for post

Conjuntamente, corporações famintas entram em cena e fazem da autofagia um banquete. O neoliberalismo das redes sociais avança na flora intestinal e na mucosa respiratória dos 99% da população, que já vivem na virtualidade desse organismo decadente. Em seguida, os influenciadores digitais deixam o cadáver da sociedade irreconhecível. Pensamos que estamos vivos, mas estamos mortos.

A pandemia, pela qual estamos passando, só potencializa e acelera o processo de decomposição empreendido pelo mundo digital.

Memento mori!

Em tempos de século XXI e revoluções digitais não é mais função da arte lembrar que vamos morrer. A função da arte é a de lembrar de que já estamos mortos! E precisamos, de alguma maneira, renascer.

Estamos nos decompondo, já em estágio coliquativo. O corpo físico da nossa sociedade se rompeu e podemos visualizar uma quantidade enorme de larvas estatais e insetos institucionais nos predando. Exalamos um odor tão pútrido, que é impossível evitar aquela procrastinação-autofágica nas redes sociais — redes suicidárias. Com o único fim de esquecermos da nossa própria decomposição!

Estamos mortos, mas, se nos desassociarmos, agora!, do digital, poderemos, através da arte, olhar para nossos restos mortais e devorar a carne podre, mas a carne física. Devorar até os ossos e, assim, nascer novamente.

Mortui sumus!

Já estamos mortos.

Agora é hora de renascer.

Written by

Escritor e editor. Conheça meu trabalho em leoescreve.com.br

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store