Estamos pagando com nosso dinheiro, mais de 1/3 do que produzimos, para um crápula deliberadamente nos matar aos milhares todos os dias!

Genocídio premeditado, calculado, desejado e perpetuado, durante a pior crise sanitária do mundo, pelo poder executivo brasileiro é o que em palavras mais brandas, mas não menos objetivas, conclui o décimo boletim Direitos na Pandemia, iniciativa do Centro de Estudos e Pesquisas de Direito Sanitário da Universidade de São Paulo (Cepedisa), em parceria com a Conectas Direitos Humanos.

Bolsonaro, mais a ala do Exército que o apoia e todos os seus ministros são genocidas com intenções óbvias e premeditadas. Não vou me estender nesse argumento, basta checar diretamente o excelente boletim que citei no parágrafo anterior Clicando Aqui. É juntar A+B.

Mas tanto Bolsonaro quanto seus ministros e os militares que ocupam quase todos os cantos do governo, não estão lá porque o “país elegeu o atual governo”. Estão, sim, porque nós bancamos os seus salários, mordomias e poder de destruição e catástrofe. E isso é o que mais me incomoda, saber que boa parte da população ignora esse ponto crucial e, resignada, não consegue enxergar que quase a metade do preço que paga para se alimentar e se manter viva todos os dias vai para pagar os mais de 30.000 reais mensais do salário do presidente (sem contar os tradicionais esquemas da familícia).

De acordo com o FIEP, SESI e SENAI, em nosso país, a carga tributária é de 35% do PIB. O que significa que o Estado recebe mais de um terço do que o país produz! Estamos pagando mais de um terço do que produzimos para Jair Bolsonaro falar que mais de 259 mil mortes (a maioria mortes evitáveis) é frescura, é mimimi, que é para o brasileiro parar de ficar chorando!

E quem tem morrido mais? Os pobres! E o que isso tem a ver com impostos? Oras, a carga tributária brasileira está concentrada nos impostos indiretos. E o que são impostos indiretos? São aqueles que são inseridos nos preços de toda e qualquer mercadoria. E como ricos e pobres pagam os mesmos valores de impostos, os pobres sempre pagam 10 vezes mais impostos que os ricos. Quem paga 10 vezes mais, está morrendo 10 vezes mais. E o presidente diz que isso é mimimi, que ele não é coveiro e outras tantas atrocidades (uma pior do que a outra).

E eu acentuo isso não para reforçar a falácia de estado mínimo (até no EUA isso é um mito!), mas para denunciar e provocar indignação. Um país que arrecada mais de um terço de impostos em relação aos bens materiais que produz deveria ser um país com educação pública de ponta, com escolas bem estruturadas, profissionais da educação bem pagos, com sistema de saúde pública impecável, com investimento pesado em ciência, com renda básica garantida para todo e qualquer cidadão e etc. Mas, como se sabe, se vive na pele, diariamente, não é isso o que acontece. Repito: mesmo o país arrecadando em impostos mais de um terço da sua capacidade de produção!

A nossa situação é a seguinte, estamos atravessando uma pandemia mundial e, enquanto o resto do mundo está, através da vacinação e medidas de isolamento e distanciamento social (mesmo ditaduras e países com líderes autoritários), assistindo a um declínio do contágio do vírus responsável pela maior crise sanitária do século XXI, o Brasil possui um presidente negacionista, propagador compulsivo de mentiras e distorções, que até o presente momento não investiu nem um centavo do nosso dinheiro, nem em uma simples campanha de vacinação! Não, ele gasta nosso dinheiro em almoços com porco no espeto, com disparos em massa de desinformação e mentira nas redes sociais, gasta bilhões comprando deputados para se proteger de um impeachment, tenta desacreditar a todo momento o que os cientistas dizem e comprovam, como o resto do mundo vem comprovando.

Desde que Bolsonaro assumiu como presidente, o Brasil, em menos de dois anos, caiu de 9ª potência econômica mundial para 12ª. Estamos a um passo de superar os EUA (que nem possui sistema público de saúde) no número de mortes por Covid-19. Criamos a cepa mais potente do vírus. Para quem não está ideologicamente cego, sabe que para o resto do mundo nos tornamos um pária. Uma região sob a presidência de um louco e que, se continuar assim, em pouquíssimo tempo, veremos todas as fronteiras se fecharem para nós brasileiros.

Estamos ilhados com o homem mais perigoso do mundo, e ele é presidente.

Quando for comprar um remédio, pedir uma comida no iFood, abastecer o carro, pagar a mensalidade do plano de saúde… lembre-se, você está pagando quase a metade do preço do produto/serviço para que Bolsonaro não faça nada, mas para que deliberadamente continue com seu projeto de genocídio do povo brasileiro.

Nossas mãos não estão vazias e nem atadas, estão cheias de sangue das pessoas que, indiretamente, pagamos para que Bolsonaro mate.

Asco.

Escritor e editor. Conheça meu trabalho em leoescreve.com.br

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store